sábado, 24 de junho de 2017

Rocka - bílis


Suck Pump (Energy + Roadrunner; 1994) foi o disco de estreia dos Bile, banda de Metal Industrial de Nova Iorque na mesma sintonia dos Ministry ou KFMDM ou My Life With The Thrill Kill Kult. O que não faz deles propriamente uma imitação ou uma segunda divisão - quer dizer, até faz porque nunca conseguiram ter o impacto dos Ministry ou Marilyn Manson, coisa que teriam desejado de certeza. Infelizmente seguem o mesmo filão e com o (dev)evoluir da carreira só pioram pois não acrescentam nada de novo. Este deve ser o melhor álbum da banda porque ainda querem surpreender o mundo irritando-o. Aliás essa é ainda a maior característica das bandas Rock até aos anos 90, havia vontade de fazer coisas obscenas em palco ou em disco. Foi assim que os Black Sabbath criaram o Heavy Metal nos anos 70 ou os Big Black criaram o Rock Industrial nos 80...
Assim sendo entre samplagem parva há faixas de atrofio de estúdio como 9 minutos de Suckpump que parece uma ilustração de uma lavagem ao estômago - de certa forma esta atitude traz saudades dos discos mais psico dos Butthole Surfers - embora também signifique "um gajo que goste de fazer broches"... O prato principal é claro Rock com tratamentos Metal e electrónicos que permitem pé de dança e headbanging para todas as tribos urbanas (outra coisa ainda muito anos 90, as tribos urbanas), as letras são niilistas (Ura fucking loser) e escatológicas (Feeling like shit), há distorção em vozes e alguns instrumentos, tudo fixe na realidade, sobretudo há groove! Bom para passar numa discoteca!

MPT 2017


discos
Karlon : Passaporti (Fazuma; 2016)
v/a : Mojo Presents Pigs Can Fly (Mojo)
Van Ayres : Sorry Stars (ed. autor; 2016)
Mdou Moctar : Afelan (Sahel Sounds; 2012)
Ryuichi Sakamoto ‎: Illustrated Musical Encyclopedia (Virgin; 1986)

espectáculos
Billy Wilder : Sunset Boulevard (1950)
Sally Potter : Orlando (1992)
Artistas Unidos : A Estupidez de Rafael Spregelburd (24/01)
Manu Louis + Yves Tumor (Festival Tremor; 8/04)
Bob Fosse : Lenny (1974)



livros
Jesse Jacobs : They Live in Me (Hollow Press)
Susan Sontag : Ensaios sobre Fotografia (Quetzal; 2015)
Simon Reynolds : Rip it up and start again : Postpunk 1978-1984 (Faber and Faber; 2005)
Raoul Vaneigem : As Heresias (Antígona; 1995)
Samir Kassir : Considerações sobre a desgraça árabe (Cotovia)

revistas
Almanac for Noise & Politics 2016 (Praxis; 2016)
Cleópatra (Façam Fanzines & Cuspam Martelos), de Tiago Baptista
Wire
Raw Vision
La Revue Dessinée

sábado, 10 de junho de 2017

PUNK COMIX & Corta-e-Cola GO GO GO GO!!!!!!!!



Sai no 10 de Junho na Feira do Livro de Lisboa - pavilhão C39, fixem lá isso! - dois livros em um, ou seja um split-book, bem à punk!


No ano em que se “celebram” os 40 anos do punk em Portugal, a Chili Com Carne, em parceria com a Thisco, edita o (duplo) livro sobre este fenómeno: 


Corta-e-Cola : Discos e Histórias do Punk em Portugal (1978-1998) de Afonso Cortez 
Punk Comix : Banda Desenhada e Punk em Portugal de Marcos Farrajota.

Escrito a partir de um levantamento exaustivo de fanzines, discos e demo-tapes, ao longo de 256 páginas, os autores dissecam todo esse material para tentarem perceber como através de uma ética - do-it-yourself - se conseguiu criar uma (falta de) estética caótica e incoerente que hoje se identifica como punk. Através da produção gráfica desse movimento se fixaram inúmeras estórias - até agora por contar - de anarquia e violência; de activismo político, manifestações e boicotes; de pirataria de discos e ocupação de casas; de lutas pelos direitos dos animais; de noites de copos, drogas e concertos...

Corta-e-Cola / Punk Comix é ilustrado com centenas de imagens, desde reproduções de capas de discos a páginas de fanzines, cartazes, vinhetas e páginas de BD, flyers e outro material raramente visto.

E porque punk também é música, o livro vêm acompanhadas por um CD-compilação com 12 bandas de punk, rock ou música experimental actuais como Albert Fish, Dr. Frankenstein, The Dirty Coal Train, Presidente Drogado, Putan Club, Estilhaços Cinemáticos... As bandas ofereceram os temas, todos eles inéditos, sobre BD na forma mais abrangente possível, sobre personagens (Batman, Corto Maltese), séries (O Filme da Minha Vida), autores (Vilhena, Johnny Ryan) ou livros (V de Vingança, Caminhando Com Samuel). Alguns mais óbvios que outros mas tendo como resultado uma rica mistura de sons que vão desde o recital musicado ao Crust mais barulhento.






Volume -8 da colecção THISCOvery CCChannel publicado pela Associação Chili Com Carne e Thisco com o apoio da Zerowork Records, editado por Marcos Farrajota com o arranjo gráfico de Joana Pires. Capas por Vicente Nunes com 9 anos (Lado C-e-C) e Marcos Farrajota (Lado P-C) sacado da BD do disco Raridades (Zerowork; 2008). 256p 16,5x23cm impressos a 540U, capa a duas cores.

O livro é acompanhado por um CD que reúne faixas exclusivas de Grito!, Mandrake, Albert Fish, Melanie Is Demented, Dr. Frankenstein, The Dirty Coal Train, Putan Club, Presidente Drógado com Banda Suporte, FDPDC, GG Allin´s Dick, dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS e Estilhaços Cinemáticos (Adolfo Luxúria Canibal, António Rafael, Henrique Fernandes e Jorge Coelho). Devido a constrangimentos logísticos apenas os exemplares deste livro comprados directamente às editoras é que são acompanhados por um CD. No entanto, esta compilação, intitulada de Punk Comix CD (ZW057) pode ser escutada e descarregada futuramente e gratuitamente em thisco.bandcamp.com.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

EM DEFESA DO CINEMA S. GERALDO (BRAGA) - A DEMOLIÇÃO NÃO É ALTERNATIVA!


Pediram-me um vídeo gravado em tlm para apoio para impedir a destruição do Cinema S. Geraldo... como não tenho tlm fiz um desenho, espero que ajude! Quem quiser assinar a petição eis aqui o link

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Sobre Loverboy - por B.Monteiro (e-mail)

Enquanto leitor, não só espero que não se arrependa, como acho que se deve orgulhar. Houve ali uma malta que realmente baralhou e voltou a dar as cartas da ilustração por estas bandas - e, penso eu, tal aconteceu em parte porque este pessoal era sensível a argumentos políticos. Os anos 80 e 90 podem acompanhar-se pelas páginas destas ilustrações: sem esta sensibilidade política, acho que seria muito mais complicado ter uma visão tão cristalina e, ao mesmo tempo, tão ácida da sociedade portuguesa.