quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

vinte vinte vinte


- Krypto : eye18 (Chili com Carne + Lovers & Lollypops)
- Mark Fisher : Capitalist Realism : Is there no alternative? (Zer0; 2009)
- Tadao Tsuge : Trash Market (Drawn & Quarterly; 2015)
- Ebisu Yoshikazu : The Pits of Hell (Breakdown; 2019)
- Boon Joon-ho : Os Parasitas (2019)

- Rita Mota : ABC de une bête (2019)
- Land : Land (Extreme; 1995)
- Andrea Pazienza : Os últimos dias de Pompeo (Veneta; 2016 - orig.: 1987)
- Cubanate : Barbarossa (Dynamica; 1996)
- Allen Halloween : Unplugueto (SóHipHop; 2019)

- Chihoi : The Book Fight (mini kuš! #84, Grafiskie Stãsti)
- Ed Pias : Ancestor's Halo (Extreme; 1997)
- Harukichi : Hero (mini kuš! #85, Grafiskie Stãsti)
- Fernando Savater : A Arte do Ensaio (Círculo de Leitores; 2009)
- Joe Kessler : Windowpane (Breakdown; 2018)

- Mark Fisher : Ghosts of my life : Writings on depression, hauntology and lost futures (Zer0; 2014)
- Front 242 : Geography (Alfa Matrix / Art & Strategy; 2004 - orig: 1982)
- Girls Against Boys : **House of GVSB** (Touch and Go; 1996)
- Ezra Claytan Daniels + Ben Passmore : BTTM FDRS (Fantagraphics; 2019)
- Tom Zé : Estudando o pagode (na opereta Segregamulher e Amor) (Luaka Bop; 2006)

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Fusão é um erro



A editora australiana Extreme é mais conhecida pela famosa Merzbox que juntava em 2000 a produção discográfica do mestre japanoise Merzbow em 50 CDs. No entanto há mais do que isto no seu catálogo e apanhei recentemente Ancestor's Halo (1997) de Ed Pias, um disco freak tão bem produzido que parece que o gajo está mesmo ao teu lado a tocar para ti. A viagem passa ao lado dos extremos orientes com perspectivas ocidentais, topas? Um Quarto Mundo centrado em percussões de instrumentos "exóticos" (para os ouvidos ocidentais, claro) que nem parece que estamos perante um académico! Há um ambiente sonoro de tensão Dark que vai enfraquecendo sorrateiramente a uma paz qualquer traduzida em hipnagogia - ganza deve ajudar... Belo disco e sem chulé.
O homónimo Land (1995) é difícil de definir, talvez seja uma espécie de Mr. Bungle para intelectuais, que tanto pode ser Miles Davis como banda sonora de Twin Peaks, como a seguir pode ser Earth neste novo milénio ou ainda qualquer coisa que o Brian Eno "ambientou". Disco dinâmico - sem ser "esquizo" como Mr. Bungle, não vos querendo induzir em erro - permite várias audições-descobertas e deixar o mistério a desvendar de quem era esta malta, o que queriam fazer com este disco, zeus!, o que se passa aqui?

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Melhor disco rock portugal 2020 sai HOJE em Lisboa!



𝗘𝘆𝗲𝟭𝟴 é o álbum de estreia de 𝕂𝕣𝕪𝕡𝕥𝕠, o trio de destruição que junta Gon (Zen, Plus Ultra) a Chaka e Martelo (Greengo). Co-editado com a Lovers & Lollypops, o disco FISICAMENTE no dia 16 de Janeiro e faz-se acompanhar de uma BD da autoria de Rui Moura

Anotem aí: 16 e 17 deste mês é apresentado, respectivamente, no Porto (Maus Hábitos) e em Lisboa (Musicbox), na abertura de Petbrick.





Sabe mais o diabo por ser velho do que por ser diabo e os Krypto, na estreia Eye18, mostram que sabem desta poda como ninguém. Oito malhas que nos recordam um tempo que já não volta, que piscam o olho ao passado sem nunca soarem saudosistas e que aproveitam para resgatar todo aquele balanço que a música de e com peso parece, por vezes, ter esquecido.

Não sabemos quem teve esta ideia, mas por nós mereceria uma medalha. Juntar aquele que é, sem dúvida alguma, o melhor e mais alucinado vocalista que este país viu nascer (um título que, por mérito próprio, exibe desde meados da década de noventa com os Zen e recentemente renovado na insanidade dos Plus Ultra) aos Greengo, provavelmente a maior força propulsora que a Invicta viu nascer por entre baforadas carregadas de intenção e acidez. Gon encontra no baixo de Martelo e na bateria de Chaka as carruagens de fogo ideais para se lançar numa infindável lista de diatribes sobre isolação, alienação, corrupção, o vazio consumista deslumbrado com a tecnologia ou a cultura empresarial.

É brutalista o som que nos despejam em cima e, apesar de um ou outro laivo psicadélico, impossível de acorrentar, numa viagem que se refugia na atitude primitiva, natural e pura de quem tem o dom de nos deixar num estado cataléptico. Música que exige ressonância e espaço para ser sentida, que cresce em urgência no espírito carbonário com que nos obriga a uma reflexão sobre a vida sem regras e responsabilidades hipócritas.

Rejeitemos a ideia de que temos de nos tornar num ideal, um camarada devoto do pensamento único, distante de sermos um indivíduo e não apenas parte de uma tribo. If we moved in next door to you, your lawn would die, palavras de Lemmy que se aplicam na perfeição a este Eye18, disco em trepidação constante pelo vazio insaciável, com sede de sobreviver e uma vontade que nos deixa atordoados, encanecidos, amortalhados, mas também num alerta constante e eufórico provocado pela privação de sono e sonho que a música dos Krypto teima em nos inflingir ao longo dos seus 23 minutos.

 O disco transforma-se numa banda desenhada da autoria de Rui Moura e inspirada no som bruto e psicadélico dos Krypto, bem como nas suas letras, a banda desenhada complementa e explora um universo ácido e atemporal. Guiado entre rituais e o oculto, transportando a psique por labirintos infinitos.

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Dear 2019

foto: Simão Simões.
Marcos Farrajota curte Freaker Unltd#6 após visita a excelente exposição Sunshowers.
Sem tretas, ao contrário do Pinóquio-Led que está a engrupir a dama num jantar nada romântico na merda da Lx Factory

- Ian F. Svenonius : Censorship now!! (Akashic; 2015)
- Charlotte Salomon : Vida? Ou Teatro? Charlotte Salomon. Berlim, 1917 – Auschwitz, 1943 (Museu Colecção Berardo) + Life? Or Theatre? (Taschen; 2017)
- Halfdan Pisket : Dansker (Presque Lune; 2018)
- Pietro Citati :  Israel e o Islão : As Centelhas de Deus (Cotovia; 2005)
- Ian F. Svenonius : Supernatural Strategies for Making a Rock 'n' Roll Group (Akashic; 2013)
- Zen : The Privilege Of Making The Wrong Choice (Rastilho; 2018 - orig. 1998)
- Olivier Schrauwen: Vies Parallèles (L'an 2 / Act Sud; 2018)
- Jafar Panahi : Dayereh / O Círculo (2000)
- Bill Griffith : Zippy Quarterly #1-18 (Fantagraphics; 1993-98)
- Mark Beyer : Agony (NYRC, 2016 - orig. 1987)
- Ema Gaspar (curadoria) : Sunshowers (5 Jan - 3 Fev; galeria da Ler Devagar)
- Beherit : Electric Doom Synthesis (KVLT; 2017 - orig. 1996)
- Mark Greif : Against Everything (Verso; 2017)
- Seth : Clyde Fans (Drawn & Quarterly)
- Enda Walsh : Ballyturk (Artistas Unidos; 16/04)
- Rafael Álvarez, "El Brujo" : Ésquilo, nascimento e morte da tragédia (Festival de Teatro de Almada)
- Marcel Schmitz e Thierry Van Hasselt : Vivre à / Living in FranDisco (Frémok; 2018)
- Amedeo Bertolo : Anarquistas e orgulhosos de o ser (Barricada de Livros; 2018)
- Ethel Grodzins Romm : The Open Conspiracy: What America’s Angry Generation is Saying (Avon; 1971)

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Tal como na BD...


Onde quer que um gajo pare, há sempre malta cheia de boas intenções. Olhem na BD portuguesa cheia de tótós a quererem a expandir o medium mas completamente ignorantes da sua história ou do mundo. No Rock idem idem aspas aspas. Em 1997 nem dei por este CD duplo Biografia Pop/ Rock pela Movieplay. Talvez não teria sido tão entusiasta das colectâneas Portuguese Nuggets há mais de 10 anos atrás se soubesse que já havia esta reedição de bandas rocks portuguesas dos anos 60 e 70 - e 80! 
A selecção é quase aleatória, tanto entra "garagice" dos anos 60, como "Progrissice" dos 70 e depois o "Rock Português" dos anos 80 sem nenhum percurso cronológico, tudo embalado em cores flúor de música Rave - porquê? Para apanhar a nova geração da altura? E é dado também um toque de modernidade com um remix Hip Hop no final do segundo CD com o tema dos Pop Five Music Incorporated que abre o primeiro CD. Smart! Assim temos UHF entre slows de amor dos 60, psicadelia dos Psico com uma versão do Bailinho da Madeira (vomitante) e até Skasada (Rock & Várius) e New Wave (Corpo Diplomático) tudo no meio dos Twists e Hully Gullys dos 60. Uma caldeirada à portuguesa!
É quase insuportável ouvir qualquer um dos CDs de tal confusão de temas, cronologias e estilos - não que não aprecie salganhada, muito antes pelo contrário - mas numa colectânea com a importância de prestar serviço público (a História do Rock português) não corre nada bem... E daí, o que interessa mesmo? As letras são lamechas, pueris ou ridículas, afinal de contas estamos no mundo do Pop descartável em que tudo é húmus para servir de repetições insípidas no futuro - basta ouvir esta selecção que "engrandece" a música portuguesa...

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Xenotopia


De tudo de excelente que se pode dizer de Musique de France (Crammed; 2016), álbum de estreia dos Acid Arab, o melhor ainda é o próprio título. Estes dois produtores electrónicos que assinam o trabalho são franceses (um até é luso-descendente), são branquinhos, são europeus e usam músicas orientais com música electrónica de dança ocidental para melhorar ambas. O título não deixa margens para acusações de apropriação cultural pós-colonial.
O fascínio pelo lado arabesco por europeus não é novo, relembro os nossos Çuta Kebab & Party ou o confuso Muslimgauze, ou ainda indo aos pioneiros Byrne & Eno. Da mesma forma que se encontra o inverso como Ahlam ou Maurice Louca... O que vale é que aqui estamos no "state of the art" deste "género", acho que nunca se ouviu de forma tão nítida e bem produzida este híbrido, que faz todo o sentido se misturar.
Em parte percebe-se que há também uma comunidade de músicos do médio-oriente a ajudá-los como Rizan Said (ligado ao Omar Souleyman!) ou Rachid Taha. Entretanto saiu o novo disco deles com mais participações "genuínas" para os que se preocupam tanto com a pureza das coisas...

sábado, 14 de dezembro de 2019

E Justiça para todos...


Cupid in Reverse (Plastic Head; 1990) é o segundo LP dos The Justice League of America e está classificado no Discogs como Gótico e Post-Punk. Qualquer pesquisa que realize sobre estes gajos ou dá, claro, desenhos animados de super-heróis ou o disco à venda em qualquer lado. Eis a 'net em 2019, a minha pesquisa já deve estar viciada ou por ser uma banda obscura q.b., não se pode encontrar nada mais. Também há sempre a probabilidade de a banda ser medíocre e ter tido uma carreira pouco ou nada interessante que alguém se tenha dado ao trabalho de escrever sobre ela. O disco não é mau de todo, pedaços de Rock Industrial, Indie e sim Gótico... assim todo distribuído sem nunca alcançar um momento alto. Assim como a Internet...

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Perkele!



Festa de lançamento esta Quarta-Feira na  Sarjakuvakeskus (Porthaninkatu 9, Helsinquia, Finlândia) do THE THICK BOOK OF KUTI que comemora os 50 primeiros números do jornal / revista de BD Kuti.

Editado por Tuomas Tiainen e Heikki Rönkkö, participo com o artigo "Comix Remix" (ler aqui e aqui) em inglês, neste tijolo de 480 páginas sou com o André Lemos, os únicos portugueses publicados entre gente como Sami Aho, Max Baitinger, Zven Balslev, Benjamin Bergman, Pakito Bolino, Lilli Carré, Anna Deflorian, Terhi Ekebom, Roope Eronen, Frédéric Fleury, Aisha Franz, Matti Hagelberg, Anna Haifisch, Jyrki Heikkinen, Alejandro Jodorowsky, Bendik Kaltenborn, Kapreles, David Kerr, Marlene Krause, Jarno Latva-Nikkola, Tiina Lehikoinen, Lilli Loge, Gunnar Lundkvist, Moolinex, Søren Mosdal, Jérôme Mulot, Tommi Musturi, Pauliina Mäkelä, Jyrki Nissinen, Pentti Otsamo, Ville Ranta, Aapo Rapi, Kati Rapia, Helge Reumann, Sam Rictus, Florent Ruppert, Anna Sailamaa, Olivier Schrauwen, Tiitu Takalo, Rui Tenreiro, Alessandro Tota, Katja Tukiainen, Marko Turunen, Brecht Vandenbroucke, Amanda Vähämäki, Mikko Väyrynen, Emelie Östergren... ufa... e ainda há muito mais!

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Renda barata e outros cartoons de Stuart Carvalhais n'A Batalha



...

livro co-editado pela Chili Com Carne e o jornal de expressão anarquista A Batalha - no âmbito do seu centenário.

Quando o nome de Stuart Carvalhais (1887-1961) é referido pela segunda vez no diário A Batalha, a 22 de Fevereiro de 1921, dificilmente se poderia augurar um futuro radiante para o cartoonista nas publicações periódicas ligadas à Confederação Geral do Trabalho. Nessa data, o jornalista Mário Domingues escrevia as seguintes linhas: “O sr. Stuart de Carvalhais, colega de Jorge Barradas, sujeito como este a ser amanhã vilmente caluniado por aqueles que ora o afagam, não se envergonhou de aceitar apressadamente o cargo de director do ABC a rir, sabendo como foi injustamente tratado o que o antecedeu. O sr. Stuart Carvalhais julga os seus actos como entende, bem sei; procede a seu bel-prazer. É possível que considere correcta a sua acção. Eu, porém, classifico-a simplesmente de traição”. (...) Apenas dois dias depois, Domingues retratar-se-ia deste duro julgamento. Alegadamente, o Barradinhas teria mesmo merecido ser despedido, mas isso não impediu o jornalista de sublinhar que “no lugar do sr. Stuart, não [aceitaria] esse lugar, não porque isso acarretasse para [si] rebaixamento moral, mas porque esse acto poderia fazer crer ao público, desconhecedor dos bastidores da questão, que não tinha sido leal a sua forma de proceder”. 

Por esta altura, o percurso de Stuart estava ainda afastado do periodismo libertário (...) tinha já colaborado proficuamente no Século Cómico, O Zé, Gil Blas, A Lanterna ou na Ilustração Portuguesa. Em 1914, contribui para o monárquico O Papagaio Real, sob a direcção artística de Almada Negreiros. No ano seguinte, regressa ao Século Cómico, onde inicia a série «Aventuras do Quim e Manecas», e em 1920 junta-se a Barradas em O Riso da Vitória. Depois de se tornar director do ABC a rir, colaborará no ABC e no ABCzinho. Até que se chega a 1923, mais precisamente a 30 de Novembro, e logo na primeira página do n.º 1539 de A Batalha pode ler-se: “Inicia hoje a sua colaboração em A Batalha o conhecido caricaturista e nosso prezado amigo Stuart Carvalhais, cujo lápis exímio e irreverente irá dar aos nossos leitores monumentos de incomparável prazer. Stuart Carvalhais, cujo mérito está acima dos nossos elogios, principia a sua colaboração no nosso jornal com uma série de desenhos, plenos de graça, de comentário ao caso da falsificação dos bilhetes de Tesouro, que tanto tem dado que falar”. 

Os diferendos entre Stuart e a redacção do jornal estariam, agora, plenamente sanados, iniciando-se uma colaboração de três anos com a Secção Editorial de A Batalha. Durante este período, não houve periódicos que tenham recebido mais contributos de Stuart do que o diário, o Suplemento Literário e Ilustrado de A Batalha e a Renovação. Significa isto que Stuart se teria convertido à Ideia anarquista? Ou que teria passado por uma fase monárquica, por ter colaborado em O Papagaio Real e na Ideia Nacional, de Homem Cristo Filho? Provavelmente o mais sensato será rejeitar qualquer uma destas conclusões apressadas. Talvez Osvaldo de Sousa não esteja muito longe da verdade quando afirma que “Stuart era um céptico na política, um anarquista na destruição ideológica e um político-desenhador na expressão do sofrimento, miséria e vida do povo”. 

(...) Ao viver de avenças, de uma produção de uma “média de 15 desenhos por semana”, certamente que não se pode afirmar que Stuart foi, pelo menos nesta década de 1920, “um homem livre” (...) Stuart foi um fura-vidas, que provavelmente viu nas publicações de A Batalha uma forma de se sustentar a si e à sua família e também um conjunto de jornais e revistas que seriam a casa natural para receber o seu golpe de vista impressionista sobre a desigualdade, a exploração infantil, o desemprego, a fome, a crise da habitação, a mendicidade, a prostituição e a questão feminina. 

(...) Apesar de a colaboração de Stuart se iniciar no diário A Batalha, no qual publicou 23 cartoons até à edição de 25 de Dezembro de 1925, é no Suplemento Literário e Ilustrado de A Batalha, fundado em Dezembro de 1923, que se podem encontrar mais trabalhos gráficos da sua autoria. Ao todo são 66, entre cartoons e ilustrações. 

(...) Stuart não mais regressaria aos periódicos de A Batalha, que passavam por uma situação interna complexa: além da instauração da ditadura militar (...), a direcção da secção editorial estava sob fogo do jornal O Anarquista, que acusava os colaboradores do Suplemento, do diário e da Renovação de serem jornalistas profissionais, sem ligação ao meio operário. (...) Não será displicente considerar-se que esta também foi uma das razões para que Stuart não mais emprestasse a sua caneta a A Batalha e que aqui terminasse a sua aventura libertária: à sua espera estava agora a redacção do Sempre Fixe, que o acolheu até à sua morte em 1961. 

 As várias monografias acerca da vida e obra de Stuart (...), pecam todas pela quase total omissão da sua passagem pelos periódicos libertários. Se estas falhas são voluntárias ou mero desleixo pouco interessa aqui, mas certo é que as breves e raras menções a esse período se resumem a um punhado de reproduções gráficas, a considerações genéricas sobre o seu “anarquismo de rua”(?), tudo enquanto se aflora en passant que o autor também fez uns bonecos para as publicações libertárias. 

(...) Sirva então este modesto livro para dar melhor conta, a um tempo, da riqueza múltipla do trabalho de Stuart, sem no entanto cair numa ardilosa hagiografia do seu papel autoral, nem reivindicar uma actualidade que cabe apenas a cada leitor avaliar. E, por outro lado, para mostrar como Stuart foi, entre muitos, um importante contribuidor para a feitura da obra colectiva e centenária de A Batalha. - António Baião no prefácio do livro

domingo, 1 de dezembro de 2019

Olive Metal


Os metaleiros são hipócritas como se sabe, anda sempre a arrotar postas de pescada que tem de ser "True" isto e aquilo mas assim que há uma nova tendência no mercado da música pesada, viram-se logo para ela. Estes Earth Electric nitidamente surfam sobre a onda retro-metaleira criada pelos Ghost e o seu Metal para donas-de-casa. Não haja dúvidas sobre a qualidade instrumental de Vol.1 : Solar (Season of Mist; 2017)! É Hard Rock pesadão com uns sintetizadores ácidos, guitarradas bem rasgadas, uma bateria energética (como aliás, já não ouvia há muitos anos do Camarada Martins) e breaks de quem sabe. Som do caraças! Mas cada vez que oiço aquela vozinha de virgem da Carmen Simões lembro-me que o problema não é chupar os anos 70 mas antes o Gógó Metal dos anos 90. Vade retro! Ah, o disco acaba com um ripanço à Michael Gira porque os metaleiros passaram a ouvir Swans há 15 anos para cá...

sábado, 30 de novembro de 2019

Tipo... não!


Pensava que os Type Non seriam daquelas bandas (projectos?) com centenas de discos e k7s obscuras, afinal de contas, até tem um disco editado em Portugal pela Simbiose. Pois, é o segundo disco / álbum / CD... e o último! 
O primeiro é este Phantasmagoria (SDV; 1991) e que dizer sobre isto? 
Não!
Caramba nem sobre os gajos dá para encontrar o quer que seja na 'net mas lembro-me de vários anúncios sobre o grupo no jornal Blitz. A História espezinha qualquer um, não? 
...
Há faixas que parece Residents, outras Dead Can Dance e de forma geral Thobbling Gristle porque tudo que é Electro e Industrial é TG até prova contrária... O segundo disco era ainda mais Dark do que este, e prontooooos, é isto...

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

CRAZY!


O sítio onde meti música pela primeira vez reabriu e com toda a pujança! 
Sim, fica em S. Romão, Seia, Serra da Estrela. 
Chequem Oráculo Bar se forem para aquelas bandas!

Não estava lá em 1989... talvez em 1994...

Café Estádio from paulo abreu on Vimeo.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Amusing regime uvula


Existem ainda lojas de discos na Lisboa dos turistas! E uma delas tem um acervo de discos Punk e quejandos que celebra as velhas glórias - é a Mega-Store By the Largo (do Intendente), by the way... Onde encontrei este CD que mete um colhão de bandas que não foram muito longe a fazerem versões dos grandes Subhumans (ingleses, há também uns canadianos). É o velho "covers album" / álbum de tributo, etc... em que a maior parte das vezes as versões pouco ou nada acrescentam aos originais, por falta de confiança ou originalidade da banda. Das poucas vezes que esta fórmula correu bem foi com o Red, Hot + Blue (dedicado a Cole Porter) e Virus 100 (Dead Kennedys) mas ou por nostalgia barata ou porque até há bandas a foderem os temas originais este CD ouve-se sem ser chato. Punk Rock, Hardcore simpático (Whippasnappa), D-Beat cavaleiro (Rectify), Crust mal-disposto e outras variações possíveis do Punk. Algures uma ida ao Folk (Wat Tyler), ao Dub (Bungalow Band), Post-Punk (Ten Tennats) e ao Indie Pop (LD50), assim a servir quase como interlúdios para as energias agressivas do Punk. Nice. Ah! o CD chama-se  Still Can't Hear The Words: The Subhumans Covers Album (Blackfish; 1999).

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Chaka chaka boom

Gozo com os gajos e ainda me deixam escrever na revista! Sim, escrevi uma resenha na Loud! 
Quem a encontrar, ofereço alvíssaras!

domingo, 20 de outubro de 2019

Exposição É Só Vaidade! Colecção da Fundação Farrajota (dias 10 a 20 Outubro) @ Casa José Joaquim Santos

imagem: Tiago Baptista in fanzine Cleópatra (2006)

O mundo gira sempre de forma inesperada e quando o PEQUENO é bom! Encontros Sobre Edição Independente preparava-se para seguir um rumo - a vinda de autores internacionais para conversas com o público - eis que somos convidados para integrar a programação do FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos, que decorre de 10 a 20 de Outubro

Uma coisa não impede uma outra e vamos em frente com um encontro mais complexo e completo.


PROGRAMAÇÃO



fotos de Thy-Lande Monnet, montagem fuck off do designer da Fundação


Exposição É Só Vaidade! Colecção da Fundação Farrajota (dias 10 a 20 Outubro) @ Casa José Joaquim Santos 
Os Fanzines poderão ser um artesanato urbano da Era da Informação, publicações amadoras em marginalidade bibliográfica, galerias nómadas e precárias, reacções à tirania da História. Desde os anos 30 que sofrem mutações e provocam dores de cabeças a todos que gostam de gavetas bibliográficas. Nesta exposição, da colecção particular de Marcos Farrajota, são mostradas uma série de publicações independentes deste universo, buscando mostrar a sua riqueza de temas e formatos, tudo graças à sua livre circulação.


Conferências (dias 19 e 20 Outubro, respectivamente) @ Livria Artes & Letras - Espaço Ó, às 15h
Casa de Papel - quando os zines invadem espaços físicos 
com 
Cecília Silveira (Sapata Press), Madame Zine (Atelier 3|3) e Xavier Almeida (Revista Decadente)

Tradição já não é... metamorfoses do fanzine 
com
Hetamoé (Clube do Inferno), Tiago Baptista (Façam Fanzines Cuspam Martelos) e Rodolfo Mariano (Rock Bottom)


Workshops por Patrícia Guimarães (dias 19 e 20 de Outubro)
E se o Medo fosse uma personagem de BD? 
para maiores de 7 anos

Folio um outro formato de fanzine
para maiores de 12 anos


Mercado de Fanzines e Edição Independente (dias 19 e 20 Outubro, entre 10h-18h) @ Rua da Porta da Vila
com 
Atelier 3|3 (c/ Casa Azul, Inkprint, Mundo Fantasma, Quarto de Jade), Chili Com Carne, Clube do Inferno, Imprensa Canalha, MMMNNNRRRG, Paperview, Patrícia Guimarães, Revista Decadente, Rodolfo Mariano, Sapata Press Tiago Baptista.


Novidades Editoriais
Instant Gratification (Paperview) de Abdrew Kuykendall
O Colecionador de Tijolos (Chili Com Carne) de Pedro Burgos
...

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Greta Thunberg sings Swedish Death Metal



Escola de Gotemburgo! Melodic Death Metal!