segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Suomi Ramp




Reza a lenda que o baterista desta banda está sempre a mudar, seja em disco seja ao vivo, só se mantêm os gajos das máquinas, o "k" e o "p". Soletrem lá: K X P, K-X-P, KXP... Foram uma bela de uma descoberta no Tremor estes finlandeses. Disfarçados em capuzes à druída (obrigado sunn0))) por teres massificado essa ideia) o trio lá tocou um Techno / Electro anacrónico mas com um pingo qualquer de magia que convence a mexer a anca. E mais estranho ainda, a ouvir intensamente em casa, em "repeat" até os dois CDs III part I (2015), III part II (2016) e o mini-LP The History of Techno (2014), todos da respeitável editora Svart.

The History of Techno será o discos mais sóbrio e direccionado de todos, há quase ausência de vozes e é muito contido. Se é para fazer um disco de dança, o objectivo é completo, isto poderá ser a Rave music depois da bomba. "A primeira parte" de III é o menos convincente a roçar algum azeite Electro-trólóró, anda aos trambolhões apesar de algumas boas faixas. Já "a segunda parte" talvez um bocado mais Pop e como tal orelhuda, atraente e viciante. Ou então, o disco consegue criar mais micro-universos de faixa em faixa de modo a criar uma viagem mais dramática e memorável. Ou então, é mesmo porque embirrei com este e não com o "primeiro". Analiticamente eles não serão muito diferentes entre eles, o que leva a achar o "segundo" melhor, realmente? 

MPT 2017


discos
Karlon : Passaporti (Fazuma; 2016)
K-X-P :  III part II (Svart; 2016)
10 000 Russos : Distress Distress (Fuzz Club)
Van Ayres : Sorry Stars (ed. autor; 2016)
Mdou Moctar : Afelan (Sahel Sounds; 2012)

espectáculos
Billy Wilder : Sunset Boulevard (1950)
Sally Potter : Orlando (1992)
Artistas Unidos : A Estupidez de Rafael Spregelburd (24/01)
Manu Louis + Yves Tumor (Festival Tremor; 8/04)
Bob Fosse : Lenny (1974)



livros
Alberto Manguel : A Biblioteca à Noite (Tinta da China; 2016)
Jesse Jacobs : They Live in Me (Hollow Press)
Susan Sontag : Ensaios sobre Fotografia (Quetzal; 2015)
Ulli Lust : Hoje é o último dia do resto da sua vida (Martins Fontes; 2015)
Asper Jorn : A Roda da Fortuna (Frenesi; 1996)

revistas
Almanac for Noise & Politics 2016 (Praxis; 2016)
Cleópatra (Façam Fanzines & Cuspam Martelos), de Tiago Baptista
Wire
Raw Vision
La Revue Dessinée

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Amigos de Samuel


Chegaram! SEIS serigrafias do Samuel - aquela fofura de personagem do finlandês Tommi Musturi... a três cores em néon + cor preta, na dimensão 20x20cm (como os livros). Assinadas e numeradas pelo autor. Limitadas a 100 exemplares, 20 vieram para Portugal.

Cada serigrafia custa 10€, o conjunto 50€ (uma é grátis) ou é grátis na compra de um livro de Samuel. À venda na loja virtual da Chili Com Carne.

E para quem não percebeu com quem Samuel está, então, 'tá ao lado do facho do Batman, do Frank (de Jim Woodring), Little Nemo (de Winsor McCay), My Boy de Olivier Schrauwen (autor de O Espelho de Mogli e Cinzas), Kass Katt (de Gunnar Lundqvist) e Krazy Kat, claro, de George Herriman. Quem sabe no futuro, Musturi continue a fazer esta série de "Samuel e amigos"... Aproveitamos para informar que o autor vai estar em Portugal em Dezembro - ou melhor, no Porto.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Vanguarda onde andas?


Ninguém sabe responder à pergunta mas os Metaleiros sabem! (Não, não sabem!) O que interessa aqui é saber em 2017 se há alguma revista de Metal que não seja uma granda seca. Eis que apareceu pelos press-centers do país a revista inglesa Heavy Music Artwork dedicada à Arte (visual) no mundo do Rock Pesado. Por acaso, em contraponto, até é levezinha nos textos e tem muita imagem para adorar. A vantagem é que selecciona só os monstros relevantes (Skinny Puppy? Sim senhor!!!) e não temos de ler mil e um resenhas e entrevistas de merda como nas outras revistas do género (Metal). As entrevistas aos ilustradores / artistas na realidade são tão más como as entrevistas sempre iguais dos músicos a bandas (nesta e noutras publicações), também eles se repetem em lenga-lengas em versão artista, tipo "as bandas muitas vezes não tem um conceito para a capa, eu discuto com eles, leio as letras, bla bla bla..." Mas, pá! Curti a revista!
Já agora, considerando a falta de cultura visual e bom gosto (uma coisa implica a outra) da cena portuguesa aconselho as bandas a fazerem a assinatura da revista para não massacrarem os artistas quando os abordam para as capas dos seus discos sucedâneos - ou até para os editores fonográficos e editores de revistas piegas. Ah! Sim, o tema do último número era "vanguarda", sem comentários.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

CIA info 82.5



A minha BD Arabyon Ana teve uma versão castelhana! Já foi publicada numa antologia da Alt Com, na Pangrama e no Free Dub (...), é agora publicada no número 6 do Arròs Negre... e com mais uma cor, espera, não publicaram a versão a cores! 
Nunca acreditar num espanhol, nunca! 
E sim, passaram-se dois anos à espera. Bom, pelo menos está com muito bom aspecto!

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

O Santuário de Fāṭimah


Mdou Moctar : Afelan (Sahel Sounds; 2012)

Há uma idade em que um gajo fica com menos energia mas há música calma chata e outra que é calma e estimulante. Há um cliché enorme da beleza dos Blues do Sáara. Há uma ideia Ocidental que as músicas dos outros povos - do Terceiro Mundo - é sempre bonita e cheias de boas intenções. Moctar pode estar a dizer que os portugueses são uns idiotas (o que é uma verdade pouco ofensiva, diga-se) mas um gajo papa esta música sem perceber pevas. Ela é feita em ambiente de volta da fogueira com uma festa para acontecer... Não a sério, este disco é bonito, fofinho e aconchegante. Perfeito para a noite de verão, fim de verão e até na noite de inverno, ao contrário da música ocidental que cada vez mais é histriónica pela overdose de açucar digital e café plastificado.
Como é bom voltar a casa depois de um dia de stress e ouvir este LP e ler o Albert Cossery!

terça-feira, 29 de agosto de 2017

CAPAM


Comecei uma colaboração com o mítico jornal A Batalha com uma tira que divulga "Artes Modestas" (Hervé Di Rosa dixit). A tira intitula-se Centro Anarquista Portuguesa de Artes Modestas. O jornal custa 0,70 cêntimos por isso quem quiser acompanhar este trabalho que faça assinatura da publicação porque não será colocada em linha. Os anarquistas agradecem...

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Diplo Farrajota

A minha resposta, em BD, à edição portuguesa do Le Monde Diplomatique, às questões sobre os intelectuais devem ou não intervir civicamente em nome de uma causa... Já está à venda nas bancas mais civilizadas do país.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Rui Eduardo Paes : "Orelha Perdida de Van Gogh : música e Multimédia" (Hugin; 1998)

 E passados seis anos finalmente encontrei a Orelha Perdida de Van Gogh (ó ironia de frase), o livro que me faltava do Rui Eduardo Paes, o seu segundo título da "fase Hugin". Demorou mas como ainda há livrarias à séria nesta Lisboa Disneyficada - chama-se Linha de Sombra e fica dentro da Cinemateca, passe a publicidade merecida.
Neste livro temos como sempre o REP sempre em grande forma e indo a tudo e a todos - Marilyn Manson incluído - sem pestanejar, do Noise ao Jazz, do Improv ao Rock... Estou tão contente de ter a bibliografia do "maior crítico de música" em Portugal. O que soa a uma bazófia brouhaha para vender livros mas não, este é o gajo que escreve com bravura, inteligência e amplitude para todos que gostam de música. Os outros é que são babelas, cãezinhos das editoras, das circustâncias e favores sociais. O REP é que é!
Raios! Devia ter esperado a leitura disto antes das férias...

domingo, 2 de julho de 2017

Assembleia Punk no passado dia 30 de Junho no DISgraça

foto: so_what_saloon

+ aqui
livro à venda aqui - metade dele já foi...

sexta-feira, 30 de junho de 2017

conversa fiada, jantarada vegan e barulho na DISgraça



Nesta festa contem com:

- Exposição "Collages" de João Francisco.

- Conversa com os autores do livro-duplo Corta-E-Cola / Punk Comix, Afonso Cortez e Marcos Farrajota com as intervenções de:

| José Nuno Matos foi vocalista de uma banda chamada Croustibat. Berrava mais que cantava. Hoje em dia é investigador na área da sociologia.
| Diogo Duarte toca e tocou em bandas, organizou concertos e escreveu em fanzines. Dificilmente alguma delas figurará numa história do punk-hardcore em Portugal. Iniciou recentemente um projecto de investigação sobre subúrbio, hardcore e straight-edge no Arquivo.pt . É co-autor do blog A Queda.
Nônô Noxx é fotógrafa, tradutora, crítica de música, operadora de imagem e co-apresentadora do programa Made of Things. Membro de colectivos anarco-feministas para além de fazer chorar os punks com a sua banda Malaise.

- Concertos de:

Presidente Drógado nem é presidente nem é drogado, é um gajo que se fosse presidente metia-se nas drogas. Está em alta neste ano em que lançou um vinilo com o melhor artwork de sempre e um tema na colectânea Punk Comix. Promete nesta noite apunkalhar o seu Folk sobre o que interessa na vida...

Scúru Fitchádu ("Escuro cerrado" em crioulo Cabo-verdiano) é o projecto a solo de Sette Sujidade, nascido em 2015 na margem sul. As influências directas de Tricky, The Prodigy, Bad Brains, Atari Teenage Riot, Ratos De Porão ou Tom Waits coabitam com os tradicionais colossos do funaná, Bitori Nha Bibinha, Codé di Dona ou Tchota Suari. Funana, Bassmusic, Punk Hardcore e Metal desaguaram naturalmente nesta sonoridade ao som da concertina e do ferro. O primeiro EP auto-intitulado no Verão de 2016 e prevê-se edição física para breve.

|||

Na Disgraça - Rua da Penha de França, 217B.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Esta é a razão porque as pessoas deixaram de comprar discos...


Dysrhythmia Pretest (Relapse, 2003)

A produção no virar do milénio tornou-se GIGANTE graças aos meios digitais que afectou tudo, da gravação à edição, da promoção à distribuição. Com tanta música acessível, muita dela sucedânea e derivada, deixou-se de fazer sentido ouvir discos inteiros como acontece com este. Ouvir um tema de Pretest chega. Até é fixe ouvir um instrumental Rock, agora, o CD inteiro é inútil e inócuo. A música não é má mas percebe-se que faz parte de uma época qualquer pós-net, que implica um encolher de ombros e uma colisão contra uma parede auto-imposta. É post-metal antes de se chamar assim, ou se se chamava, ainda era uma novidade em 2003 e a Relapse, grande e a melhor "indie" do Metal não dorme em serviço. Bom, se calhar é Math-Rock ou apenas seguidores dos Slint... 14 anos depois há tantos assim que mesmo ouvir os mais velhos da cena pouco adianta, o "post-metal" é a barreira musical mais lixada de todas. Como alguém me disse há pouco tempo, é música para músicos. Justificasse a esterilidade do género, música dos Zombies que não se adaptaram aos novos tempos.

sábado, 24 de junho de 2017

Rocka - bílis


Suck Pump (Energy + Roadrunner; 1994) foi o disco de estreia dos Bile, banda de Metal Industrial de Nova Iorque na mesma sintonia dos Ministry ou KFMDM ou My Life With The Thrill Kill Kult. O que não faz deles propriamente uma imitação ou uma segunda divisão - quer dizer, até faz porque nunca conseguiram ter o impacto dos Ministry ou Marilyn Manson, coisa que teriam desejado de certeza. Infelizmente seguem o mesmo filão e com o (dev)evoluir da carreira só pioram pois não acrescentam nada de novo. Este deve ser o melhor álbum da banda porque ainda querem surpreender o mundo irritando-o. Aliás essa é ainda a maior característica das bandas Rock até aos anos 90, havia vontade de fazer coisas obscenas em palco ou em disco. Foi assim que os Black Sabbath criaram o Heavy Metal nos anos 70 ou os Big Black criaram o Rock Industrial nos 80...
Assim sendo entre samplagem parva há faixas de atrofio de estúdio como 9 minutos de Suckpump que parece uma ilustração de uma lavagem ao estômago - de certa forma esta atitude traz saudades dos discos mais psico dos Butthole Surfers - embora também signifique "um gajo que goste de fazer broches"... O prato principal é claro Rock com tratamentos Metal e electrónicos que permitem pé de dança e headbanging para todas as tribos urbanas (outra coisa ainda muito anos 90, as tribos urbanas), as letras são niilistas (Ura fucking loser) e escatológicas (Feeling like shit), há distorção em vozes e alguns instrumentos, tudo fixe na realidade, sobretudo há groove! Bom para passar numa discoteca!

sábado, 10 de junho de 2017

PUNK COMIX & Corta-e-Cola GO GO GO GO!!!!!!!!



Sai no 10 de Junho na Feira do Livro de Lisboa - pavilhão C39, fixem lá isso! - dois livros em um, ou seja um split-book, bem à punk!


No ano em que se “celebram” os 40 anos do punk em Portugal, a Chili Com Carne, em parceria com a Thisco, edita o (duplo) livro sobre este fenómeno: 


Corta-e-Cola : Discos e Histórias do Punk em Portugal (1978-1998) de Afonso Cortez 
Punk Comix : Banda Desenhada e Punk em Portugal de Marcos Farrajota.

Escrito a partir de um levantamento exaustivo de fanzines, discos e demo-tapes, ao longo de 256 páginas, os autores dissecam todo esse material para tentarem perceber como através de uma ética - do-it-yourself - se conseguiu criar uma (falta de) estética caótica e incoerente que hoje se identifica como punk. Através da produção gráfica desse movimento se fixaram inúmeras estórias - até agora por contar - de anarquia e violência; de activismo político, manifestações e boicotes; de pirataria de discos e ocupação de casas; de lutas pelos direitos dos animais; de noites de copos, drogas e concertos...

Corta-e-Cola / Punk Comix é ilustrado com centenas de imagens, desde reproduções de capas de discos a páginas de fanzines, cartazes, vinhetas e páginas de BD, flyers e outro material raramente visto.

E porque punk também é música, o livro vêm acompanhadas por um CD-compilação com 12 bandas de punk, rock ou música experimental actuais como Albert Fish, Dr. Frankenstein, The Dirty Coal Train, Presidente Drogado, Putan Club, Estilhaços Cinemáticos... As bandas ofereceram os temas, todos eles inéditos, sobre BD na forma mais abrangente possível, sobre personagens (Batman, Corto Maltese), séries (O Filme da Minha Vida), autores (Vilhena, Johnny Ryan) ou livros (V de Vingança, Caminhando Com Samuel). Alguns mais óbvios que outros mas tendo como resultado uma rica mistura de sons que vão desde o recital musicado ao Crust mais barulhento.






Volume -8 da colecção THISCOvery CCChannel publicado pela Associação Chili Com Carne e Thisco com o apoio da Zerowork Records, editado por Marcos Farrajota com o arranjo gráfico de Joana Pires. Capas por Vicente Nunes com 9 anos (Lado C-e-C) e Marcos Farrajota (Lado P-C) sacado da BD do disco Raridades (Zerowork; 2008). 256p 16,5x23cm impressos a 540U, capa a duas cores.

O livro é acompanhado por um CD que reúne faixas exclusivas de Grito!, Mandrake, Albert Fish, Melanie Is Demented, Dr. Frankenstein, The Dirty Coal Train, Putan Club, Presidente Drógado com Banda Suporte, FDPDC, GG Allin´s Dick, dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS e Estilhaços Cinemáticos (Adolfo Luxúria Canibal, António Rafael, Henrique Fernandes e Jorge Coelho). Devido a constrangimentos logísticos apenas os exemplares deste livro comprados directamente às editoras é que são acompanhados por um CD. No entanto, esta compilação, intitulada de Punk Comix CD (ZW057) pode ser escutada e descarregada futuramente e gratuitamente em thisco.bandcamp.com.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

EM DEFESA DO CINEMA S. GERALDO (BRAGA) - A DEMOLIÇÃO NÃO É ALTERNATIVA!


Pediram-me um vídeo gravado em tlm para apoio para impedir a destruição do Cinema S. Geraldo... como não tenho tlm fiz um desenho, espero que ajude! Quem quiser assinar a petição eis aqui o link

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Sobre Loverboy - por B.Monteiro (e-mail)

Enquanto leitor, não só espero que não se arrependa, como acho que se deve orgulhar. Houve ali uma malta que realmente baralhou e voltou a dar as cartas da ilustração por estas bandas - e, penso eu, tal aconteceu em parte porque este pessoal era sensível a argumentos políticos. Os anos 80 e 90 podem acompanhar-se pelas páginas destas ilustrações: sem esta sensibilidade política, acho que seria muito mais complicado ter uma visão tão cristalina e, ao mesmo tempo, tão ácida da sociedade portuguesa.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Balbúrdia TV 03: Erzsébet e Chili Com Carne


Marcos Ferrajota? Nem no Brasil acertam...