sábado, 4 de novembro de 2006

DEA report on "Troca de Discos com unDJ GoldenShower || ESPAÇO"

Mais uma sessão vergonhosa da Troca de Discos no Espaço que acabou com um CD de Metalada brutal vindo de uma compilação da revista Ancient Ceremonies, cortesia do "agarrado" do Gama que só veio ao Espaço para trocar discos (Mein got, estarei a criar um monstro com esta iniciativa?) e que salvou a noite dado ser a única pessoa que se lembrou de trazer discos.

Ah! O Zé (do Espaço), também, trocou comigo as remisturas Trance dos Pink Floyd por uma treta arteíst-freak-cyber-subúrbio multimedia portuguesa chamada Ye77a ou 4 play (para dizer a verdade ainda não percebi o nome nem me parece que me vou dar ao trabalho de perceber).

O Gama trocou comigo CD's de Coltrane e Hancock - um álbum Disco-Xunga: Monster (Columbia; 1979) - para dar aquela pinta erudita (hehehe), uns "índios" franceses p-funk Sloy com o seu terceiro e derradeiro álbum Electrelite (Tubes / PIAS; 1998) que é conceptual sobre (e d)a punheta, um CD de remisturas aos U.N.K.L.E, Money Mark, Buffalo Daughter, Coldcut, Pastels, High Llamas e Salon Music pelo japonoca Cornelius [bem-bom! trata-se de CM (Matador; 1999)], duas antologias de Metal (*), uma brutal que fechou a noite entre os amigos a contarem histórias parvas sobre metálicos e sobre a província profunda.. E ainda um CD-promo de Blues e de várias etnologias manhosas e, por fim, dois CD's da On - lembram-se que vinham com o finado Independente e que se ouvia sempre publicidade encoberta (**) da TMN? Pois, estou farto de por sempre a mesma música há 3 meses que até por estes CD's de oferta troquei...

Mais más memórias, troquei com o sr. Lino o recente segundo número do Jazz Banda por um CD-R de Courtney Pine (livrei-me de outra seca, ufa!) e é nesta altura que me lembro porque raios se insiste em colar o Jazz à bd? Não sei qual é a vantagem em associar esta forma musical caquéctica a essa forma de arte superior que é a bd - só pode ser um esquema comercial (A pior banda do mundo do puritano José Carlos Fernandes, a colecção BD Jazz da Nocturne) porque num país de atrasados mentais como o nosso, dizer que se gosta de Jazz é mesmo mutcho-cool . Eu duvido que o Pepedelrey ou o JCoelho oiçam djazz mas enfim, deve ser pró style, topas? A bd mais fixe é do Pedro Nogueira (que usa dois textos em simultâneo) e o pior do zine são os textos: a entrevista semi-babante à monga da Ana Bacalhau (sim é o nome verdadeiro da vocalista dos execráveis Lupanar e Tricotismo) ou ainda o artigo ditado-da-escolinha sobre os instrumentos do Jazz - nem quero referir o arranjo gráfico desses textos, por favor, voltem a fazer zines com tesoura e cola!

Ah! A exposição Grandes Desastres Históricos: uma antologia não é tão boa como a que esteve anteriormente (ver a programação da Laica no Espaço) e a pintura mural de Jucifer está fixi! Dia 7 de Dezembro haverá mais uma sessão de Troca de Discos e depois lá virá um pequeno descanso para mim... ooooooooooooooh!

(*) A Fear Candy 06: The unsigned edition (da revista Terrorizer; 2004) é mais eclética e destaco os mais originais e brutais, I-Remain, uma espécie de Industrial-Metal com Scratch.
(**) que devia violar uma ou duas leis das regras da publicidade, de certeza...

5 comentários:

GAMA disse...

diz q é agarrado é... se não fosse o herbie hancok... ah pois era...

unDJGS disse...

hehehehehehe

Anónimo disse...

Ui!!!! Mas que grande ressabiamento que para aí vai....

unDJGS disse...

ressabiamento? aonde ó meu grande paneleiro?

GAMA disse...

lol
tenho sauades destas festinhas