quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Thisco sem groove / Disco com Groovie

LADO A
v/a: "Brazilian Surf A-Go-Go: The Attack Of The Tiki Waves, vol.1" (Groovie; 2007)

Duas colectâneas que em nada tem em comum mas como recebi ao mesmo tempo e ando com tempo zero para escrever, tudo ao molho e fé em Deus! A primeira é dedicada ao Surf-Rock feito por bandas brasileiras com nomes tão absurdamente bons como Los Muertos Vivientes, Pata de Elefante, Cochabambas, Retrofoguetes, Estrume'n'tal (grande jarda!), Monstros do Ula Ula, Frank Simata (perceberam esta?) Capitao Parafina & Os Haoles entre outras, e claro com músicas deliciosamente série B como Primeiro Campeonato Mineiro de Surf, A Maldição do Surf Sumério, Fugindo Desesperadamente Do Helicoptero Malvado Na Selva Sombria e Úmida e Com Muitos Perigos ou ainda Quem Come Não é Viado. Rock com pedalada num estilo velho como a potassa. O álbum é um vinil LP com uma capa impressionante (em formato vinil qualquer capa é sempre impressionante) do Esgar Acelerado, que podia ter esquecido de dar alguns efeitos farsolas (como aquela onda azul-digital). Álbum aconselhável sendo que o editor devia ter mais cuidado com os pormenores (há biografias repetidas de bandas diferentes).

LADO B
v/a: "This will end in tears" (Thisco + CM Almada; 2007)

O mesmo não se pode dizer do segundo disco dedicado a promover projectos nacionais na onda electrónica. É uma antítese do disco do Surf brasileiro: a capa horrível, o objecto não tem valor pela humilde embalagem, e ainda por cima repete músicas recentemente editadas noutras colectâneas (como acontece com Waste Disposal Machine e Gritante) ou disponiveís em myspaces ... mas o pior é o excesso de reminiscências góticas em projectos Rock Electro, Rock Industrial e EBM (cruz credo!). O catálogo da Thisco sempre se primou por uma electrónica mais experimental e instrumental, vem com este disco quebrar "o dado adquirido". Nada contra rupturas, muito pelo contrário, só que este não veio pela positiva. Os mofos são muitos e não me apetece chatear-me a dizer nomes, no entanto os projectos interessantes tem de ser realçados como Structura, The Virgo Mechanical Replay, Mr. Gasparov e Urb. Divulgação feita!

Em computo final, os tipos do Gato Fedorento tinham razão com aquele outdoor contra os sub-normais do PNR, Portugal sozinho não dá, os estangeiros são bem-vindos! Com a depressão criativa deste país virado para a melancolia e o "Darkismo", só mesmo com Surf brazuca é que vamos lá! O que é pior um português civilizado em constante depressão ou um brazileiro das barracas em histeria? Sei lá... mas o bom disco deste post é o primeiro sem sombras de dúvida!

4 comentários:

Mr. Esgar disse...

gosto muito do que escreves mas acho desnecessário alguns repiques de crítica apunkalhada - a capa é impressionante, sim senhor, mas pensa lá bem, qualquer capa em LP é impressionante?... Ora revê lá bem a tua coleccção de LPs da adolescência... :)
Quanto à onda, é tão digital quanto o resto do desenho. Podes não ter percebido, mas o desenho todo é digital - 100% photoshop, amigo! não houve lápis nem papel em nenhuma fase, nem sequer no esboço. Pronto, era só isso! beijinhos!

mmmnnnrrrg disse...

mesmos os vinis da adolescência são impressionantes, sobretudo para quem parou de ouvir vinil - como é o meu caso. mesmo capas horríveis e inacreditáveis (lembro-me de algumas de hard rock por exemplo) são impressionates -comparando com as colecções de cromos que são as dos CD's.
...
pelo facto de usares exclusivamente computador ou photoshop não significa que isso tenha um valor em si, lembras-te das ilustrações em aerógrafo?
abraços de punk bestia

Mr. Esgar disse...

mmm...
primeira parte - ok, está bem, mas continuo a achar que não, nem todas são impressionantes.
segunda parte - não percebeste. a onda é tão digital quanto o resto do desenho, só isso. não há julgamento de valor da minha parte. apenas não percebi o que querias dizer por "efeitos farsolas".

cheers

mmmnnnrrrg disse...

a onda é feia, pá!